sábado, 9 de setembro de 2017

O Fútil encerra-se aqui. 

Não, eu não desisti de escrever, só acho que por aqui está bagunçado demais. Pensei em limpar e começar de novo, inclusive já tinha até feito isso uma vez, mas não deu certo. 
Então hora de dizer tchau.

Desabafei horrores nesse blog, fiz algumas amizades virtuais e uma especialíssima que ultrapassou as barreiras da blogosfera e veio pra dentro da minha vida trazendo outro tom de alegria. Obrigada Fútil, obrigada vida!

Sem muitas despedidas digo tchau. Estarei em outras redes, escrevendo outras futilidades por ai.



sábado, 12 de agosto de 2017

"As profundezas do edredom..."



Tem mais de um mês que as cortinas da janela de meu quarto mantém-se fechadas. Sol lá fora, aqui tudo escuro. Escuro lá fora, aqui dentro o tom não muda. 
Um dia choveu e eu as abri para sentir o clima da chuva, os pingos, o vento, o cheiro. Gosto de chuva. 
Às vezes me sinto como parte da mobília do meu quarto. Um silêncio tão profundo, contrasta com o barulho que faço com meus instrumentos musicais.
 Meu espelho quebrado, há tempos foi substituído por um novo, o qual eu luto todos os dias para não esmurra-lo. 
Sem loucura. Sem loucura. 
Me encaro e sorrio, soa falso. 
Me irrito. 
Horas e horas deitada, meu corpo dói. Durmo e não descanso. 
Meu rim dói, por vezes sinto meu estômago nausear. 
Escrevo e desenho em dezenas de papéis que somem em minha bagunça... 
Não socializo com minha família, imagina com meus amigos... eles reclamam minha ausência, meu mal humor, minha falta de sorrisos. 
- o que tá acontecendo com você?
- Eu não sei. Eu não sei mesmo! 



Me desculpem. 

quinta-feira, 20 de julho de 2017

"In the end"

Eu devia ter uns 14 ou 15 anos quando comecei a aprender o que era rock. A escola de rock para os adolescentes da época era a (falecida) MTV Brasil. Acompanhávamos os clipes e as notícias, alguns shows. Foi através de lá que conheci o Linkin Park. Eu adorava, meus amigos também. Fãs adolescentes, all star e camisetas pretas com estampas das bandas preferidas. Tive uma do Linkin Park. Lembro da alegria quando comprei meu primeiro CD do deles, o Live in texas. Um CD ao vivo que eu adorava e devo ter furado de tanto que ouvi. Adolescente fantasiosa, achava que o Mike Shinoda era o cara ideal, talvez tenha sido meu primeiro crush impossível rs. Mas eu me identificava mesmo era com Chester Bennington.
Lembro do quão impactada fiquei, quando em uma entrevista ele disse que havia sofrido abuso sexual quando era criança. Passado traumático, mas lá estava ele, o homem que havia declarado que já pensara em suicídio por causa do abuso: corajoso, gritando suas dores. Era assim que o via. O grito rasgado, cantando letras fortes, que para mim faziam todo sentido. Imaginava que as dores de Chester pareciam com as minhas e imaginava que assim como ele eu também poderiam resistir, nem que fosse gritando...

Numa luta contra drogas, álcool e traumas, Chester foi encontrado
hoje, morto em suas casa. Suicídio por enforcamento. #RipChester

Não sabemos quão profundas são as marcas de uma violência assim na vida e na alma de alguém.
De coração partido digo: vá para Deus, Chester. Você foi inspiração de coragem para mim, obrigada.


sexta-feira, 30 de junho de 2017

27 years old

Pretendi ter morrido muitas vezes. 
Mas a vida venceu em mim.


Eu corri tanto e me escondi por medo. Chorei por dias e noites, dores que ninguém compreenderá. Pequenina e assustada demais para ter voz. Quantas vezes me senti invisível ou pouco importante, afinal, porra será que ninguém vê? E ninguém via... Tão jovem e tanta vontade de simplesmente desaparecer. Ninguém deveria pensar em morrer aos 10 anos de idade. Ninguém nunca deveria pensar em morrer. Algo me empurrava para a vida. Aprendi a ver graça em coisas pequenas. O terror acabou, as marcas machucavam, mas em meus pensamentos eu deveria continuar caminhando, pra honrar aquela menina que antes dos 12 anos foi muito mais forte do que sou hoje. "Que força é essa, pequena flor?" Foi tua força que nos segurou, lembro de noites tão difíceis como se tivessem sido ontem. Lembro do teu choro tão sentido, teu vozeirão sem firmeza nenhuma. Lembro do teu desespero, das tuas mágoas... Ninguém percebeu. Mas aqui estamos. Você percorreu todos esses anos e teu único desejo era ser feliz. Sou feliz, pequena. Sou muito feliz e estou bem. Vencemos! Ninguém te viu, mas eu te vejo. Ninguém te compreendeu, mas eu te compreendo. Finalmente estou em paz. A vida segue bem, por vezes dificultosa, mas teu exemplo de força é constante em minha memória. Feliz 27 anos, a vida se ascende incrível e surpreendente. Para mim, os 27 representavam morte, e ainda representam. Mas hoje com significado diferente: é morte, mas morte de tudo que me incapacita de ser feliz! É por você que continuo. É por mim! Não é mágoas, medos ou dores em meu coração. Meu coração pulsa e a cada batida é só amor. Sempre só amor.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Só pra constar

Oi. Percebi que quando acontece algum desequilíbrio emocional, seja por qualquer motivo, me vem logo ao pensamento "preciso de uma cerveja". Talvez eu corra um grave risco de me tornar depressiva alcoólatra. Tchau.