segunda-feira, 6 de março de 2017

Criolo estava errado

Hoje pela manhã, postei no Twitter que o dia tinha tudo para ser bom. Mesmo acordando atrasada, não perdi o ônibus, o metrô estava tranquilo e cheguei na faculdade no horário certo para assistir a primeira aula (coisa rara eu chegar no horário certo). Assisti aulas, conversei e ri muito com uma amiga, tudo bem, rotineiro, tudo em paz. Coisas simples me fazem feliz. Meu cotidiano fluir tranquilamente, me deixa feliz. O pão de queijo quentinho, lá na estação; as mensagens carinhosas em meu celular; uma música; um louvor... Meu coração é feliz na simplicidade de apenas ser e mais nada. Essa felicidade boba, durou até eu chegar no trabalho e ver barbaridades na Internet.
 
''As pessoas não são más, mano, elas só estão perdidas. Ainda há tempo.''
 
O primeiro choque, foi ver noticiada a morte de Dandara dos Santos, uma travesti que foi espancada até a morte, por pelo menos 5 homens. Qual foi o crime de Dandara? Não sei se ela era uma criminosa, ou se estava envolvida com algo... E mesmo se estivesse, é assim que se paga por um crime? O goleiro Bruno está solto e com fãs, hipócritas... Pelo que li, a polícia acredita que o crime foi motivado por homofobia. Talvez Dandara tenha morrido, por apenas ter sido quem era...
Fui pesquisar mais informações sobre o crime, e o que encontrei no Google, foram páginas e páginas de crimes contra travestis, gays e etc... Notícias de hoje, inclusive. Como por exemplo, a de um pai que estuprou a filha que se assumiu lésbica, para "mostrar a ela que sexo com homem, é legal"... Garoto morto no Habbibs, criança baleada em bloco de carnaval... Páginas e páginas de barbárie... Violência e maldade existe, nos ronda e amedronta.
 
''As pessoas não são más, mano, elas só estão perdidas. Ainda há tempo.''


 
Quando ouvi essa frase em uma música linda do Criolo, senti esperança, um conforto grande em meu coração e sorri. Achei que ainda houvesse tempo. Mas isso é utopia, Criolo doido, meu amigo.
Percebe-se que é utópico, quando você vê a maldade explícita e sangrenta na sua cara, a bater na sua porta. Quando se lembra que aos 5 anos de idade, tiraram de você a inocência e colocaram medo no lugar. Quando você demonstra afeto a alguém e recebe em troca um soco no meio da cara. Chorei tanto aquela madrugada. Chorei de vergonha, de tristeza... O soco nem doeu. Cai no chão de desgosto, derrotada pela estupidez. Um soco de realidade, no meio dessa cara de idiota esperançosa.
 
As pessoas estão perdidas e são muito maldosas sim. E só há tempo, Criolo, enquanto você não cruza com um desses no caminho. Sorte é voltar para casa ileso.
 
Lamentável.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário