segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Primeiramente, oi!

Helloooo... Mais de um mês que não apareço por aqui. E como anda a vida? Manoooo, maior doidice. Sérião. Maaas antes de falar de 2017, bora fazer aquele balanço geral de 2016. Ahh mais por quê isso? Porque eu quero!
 
2016 tinha cara de que seria bom, eu tinha voltado de uma viagem incrível e tudo parecia que caminharia bem. Até que pessoas incríveis começaram a ir embora,  além das pessoas, perdi também meu cachorro, companheiro com quem compartilhei mais de 10 anos da minha vida. Em janeiro de 2016, precisei consolar e fui consolada; e a vida seguiu... Foi um ano que teve um carnaval lindo, eu nunca havia curtido taaaaaanto um carnaval como curti em 2016. Cai na folia com uma amiga incrível e foi sensacional. Ainda em fevereiro recomecei um hobby antigo, comprei patins novos e comecei o processo de reaprender a andar sobre rodas. Após isso, a vida foi ficando meio complicada, alguns problemas na faculdade e vários outros na vida pessoal me tiravam do eixo e quase me enlouqueceram. Redescobri desejos que eu havia deixado bem guardadinhos, mas novamente reprimi todos eles.
Meu (agora então ex) namoro desmoronou pela primeira vez, e se refez na páscoa. Resolvemos nos dar uma chance, que após alguns passeios, viagens à praia, vários desentendimentos e decepções se perdeu novamente, logo um dia após o dia dos namorados. Então foi o fim, e começo de uma fase difícil. Fase de muitas provas na faculdade, muitas cobranças no inglês, muitas noites sem dormir e pouco tempo para chorar. Precisei ser madura e colocar todos meus compromissos a frente do meu emocional, segurei a barra e tudo fluiu. Quando tudo acabou, eu desabei. Chorei muito e sozinha. Muita solidão e vazio. Mas também foi época de me redescobrir. Redescobrir que sou uma ótima companhia; que tomar uma cerveja, ir ao cinema, ao parque ou a qualquer lugar sozinha, pode ser maravilhoso. Descobri que amo sair sozinha e que sim, eu sei fazer amigos em qualquer lugar. Achei novamente meu lugar em minha família, passei momentos agradabilíssimos com minha mãe e sem dúvidas ela me deu o melhor colo, cheio de carinhos e sorrisos, esbanjando amor e paciência. Fiz várias amizades. Entrei em um grupo de patinadores e foi uma das melhores coisas que fiz em 2016, um novo hobby, novos amigos, cheio de novos desafios. Percebi que sei conquistar o que eu quiser sozinha. Foi um momento determinante para perceber quem são meus amigos e quem eu devo manter distância. Meus amigos de verdade, me abraçaram, acolheram e animaram, sorriram e me fizeram chorar de rir, não importando se estavam do meu lado ou fora do Brasil.
Beijei algumas bocas. Tive paixões loucas e rápidas. Lembrei daqueles desejos reprimidos e por não ter motivos para segurá-los, libertei todos eles #Arrazei.
Vi meu Palmeiras ser Campeão Brasileiro. Tive novas paixões, mais amigos, muitos sorrisos e a autoestima só elevou mais e mais... Fechei 2016 do jeito que achei certo: fiz meu som na missa de Natal ao lado de meus amigos, me diverti com minha família, os amei e fui amada muito mais. Comemorei o aniversário de uma amiga querida e fiz a virada de ano ao lado dela e da minha família, correspondendo e mandando mensagens carinhosas de felicitações para os queridos que estavam longe. Tanto no Natal, quanto no Ano novo amanheci em um abraço acolhedor.

2016, tinha cara de que seria bom; mas ele foi muito melhor do que pude imaginar. Frente as decepções, tristezas e desafios, mantive o humor e a fé, e isso fez do meu ano, da minha história, sensacional... pelo menos para mim. Feliz! :)

Para 2017, levo a mesma fé, força e humor! Vamaê!






 

2 comentários:

  1. Eu fico tão felizinha quando você diz que gostou da viagem pra Bahia <3 <3 <3

    ResponderExcluir