quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Então me perco em tanto nada, em tantas coisas para falar e tento administrar essa confusão que é sentir tudo. Penso em como seria se nada tivesse acontecido, pois marcas profundas estão em mim, em minha personalidade, alterando tudo de forma tão estranha que eu nem sei como poderia ser. E então espero o resgate, o socorro. Inútil, pois não vem e talvez nunca vira. Resta resgatar-me, como há tanto faço. As coisas por vezes são leves, mas me perturbo tanto com esse meu jeito estranho de ser, essa insegurança que não era para ser minha. Esse medo, ridículo e profundo. Perder a inocência cedo, é ser roubado de vc e isso é de difícil recuperação. 
No mais, insisto e quando vacilo, não aceito outra opção a não ser continuar insistindo.

"A própria fé é o que destrói, esses são dias desleais. Mas sou metal, raio, relâmpago e trovão..!"

Nenhum comentário:

Postar um comentário