segunda-feira, 6 de abril de 2015

Triste

Aquele dia que você não tem expressão de nada. Quando estou triste fico assim: apática a tudo. As pessoas falam comigo no meu trabalho, na faculdade, os amigos no almoço, mas eu não consigo esboçar muita coisa. Um sorrisinho forçado sai algumas vezes, mas a vontade é de chorar, chorar e chorar. Mania de querer controlar tudo, ganhar todas as vezes e não aceitar quando simplesmente não dá certo! Então eu fico falando rápido, tentando controlar o choro que vem quando eu simplesmente tento falar algo. Dai a pessoa não me entende e eu sou obrigada a repetir e segurar as lágrimas, porque falar doi e o esforço para segurar o choro é muito grande. E algumas vezes eu não consigo segurar e tenho que inventar que caiu algo no olho, ou que meus olhos estão irritados, então eu fico vendo as expressões das pessoas, que me olham com uma cara de dó e sabem que não há cisco nenhum ou irritação alguma nos olhos. Há tristeza, e elas sabem disso, elas veem isso, mas não perguntam. E eu engulo tudo a seco, respiro fundo e retomo toda a fala, afim de fazer o outro entender o que eu havia dito.
Quando respiro fundo a dor no peito alivia, e os breves segundos de um suspiro me confortam, até que passam e tudo doi de novo.
 
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário